AMOR FATI: Aceite e ame tudo o que acontece

AMOR FATI: Aceite e ame tudo o que acontece

Aceitação:

É tão difícil! Muitas das vezes, parece até impossível. Mas, é possível. Acredite, você descobrirá como neste artigo.

Somos ousados ​​e ambiciosos e achamos que podemos endireitar tudo.

Mas nós não podemos.  Nós não podemos mudar a realidade.  No segundo, percebemos algo que já passou.  É como agarrar o vento. Há um segundo e você é rápido para alcançá-lo e baam – ele se foi.

E se pensarmos sobre isso, a aceitação é realmente a única opção.  O oposto é se opor a tudo o que acontece. Combater a realidade Lutar contra os fatos.  Que vida terrível?! Uma vida de oposição, frustração, ódio e infelicidade. Definitivamente, esta não é uma boa opção. Se contrapor à vida, ao destino, aos fatos, só vai te trazer mais e mais sofrimento, perda de tempo e energia. E, aceite isso, se estressar, se irritar, odiar Deus e o mundo pelo que acontece não vai mudar absolutamente nada. Nadar contra a corrente só te trará mal.

Precisamos aprender que as coisas acontecem como acontecem – às vezes, aparentemente boas, às vezes, aparentemente ruins. A vida nem sempre acontece do jeito que esperamos.

A menos que escolhamos aceitá-la de qualquer jeito, esse é o nosso caminho.  Quando escolhemos amor fati – amar tudo o que acontece, amar nosso destino -, então sempre a vida sempre ocorrerá do jeito que esperamos, porque esperamos que ela aconteça como deve acontecer, e não como nós queremos que aconteça. Somente dessa forma, aceitando a vida como ela é, podemos ter uma vida que flui de forma leve e agradável.

Porque a vida é do jeito que é. Imutável. E, portanto, deve ser boa (ainda que pareça uma porcaria).

E se você pensa agora, “Isso é uma droga, porque eu não tenho nenhum controle do que acontece na minha vida …”

Então, você está enganado.  Suas ações de hoje moldam seu amanhã.  E aceitar e amar o que quer que aconteça ajudará você a moldar a sua vida do seu jeito.

 

A PARTIR DE NIETZSCHE, UM RETORNO AO ESTOICISMO

Vocês lembram que eu falei, quando me apresentei, num dos primeiros posts do blog, que eu só encontrei o Estoicismo a partir da leitura da obra de Nietzsche? Pois é, não fui só eu. Em verdade, o Estoicismo estava adormecido há séculos até que Nietzsche, por volta do ano 1900 d.C., criou toda a sua filosofia com base no Estoicismo e em Heráclito, que era um filósofo pré-socrático que influenciou muito o Estoicismo.

Portanto, a partir do final do século XIX e início do século XX da nossa era, com Nietzsche, o Estoicismo experimentou um renascimento que hoje, em pleno século XXI, mais de 2.300 anos depois de sua fundação, na Grécia antiga, está florescendo fortemente ao redor do mundo, contando com inúmeros best sellers e autores e professores mundialmente renomados (Ainda, na sua grande maioria, em inglês. Por algum motivo desconhecido, o Estoicismo Moderno, como tem sido chamado, ainda é muito pouco traduzido para o português e não tem nenhum representante brasileiro a ele dedicado. Por enquanto…Quem sabe um dia a minha voz seja ouvida e o Estoicismo Moderno possa ressoar aqui no Brasil?!).

Pois bem, voltando ao amor fati, com Nietzsche:

“Minha fórmula para o que é grande na humanidade é amor fati: não desejar nada além do que é;  seja atrás, adiante ou por toda a eternidade. Não apenas para suportar o inevitável – muito menos para escondê-lo de si mesmo, pois todo idealismo é mentir para si mesmo em face do necessário – mas para amá-lo.” Nietzsche

O termo amor fati remonta ao filósofo alemão do final do século XIX e início do século XX, Friedrich Nietzsche.  (Fato interessante: foi Nietzsche quem escreveu a famosa máxima: “O que não me mata me fortalece”, bastante estóica, a meu ver.)

O significado de amor fati é o amor ao destino, a aceitação amorosa do seu destino, ou simplesmente, amar tudo o que acontece.

Amar tudo o que acontece inclui não desejar nada além do que é. Basicamente, essa era a fórmula de Nietzsche para uma vida feliz: não desejar que a realidade seja diferente e sim aceitar e, até, amar o que quer que aconteça.

Quase dois milênios antes, Epicteto, um dos líderes estóicos, tinha uma fórmula semelhante para uma vida que flui suavemente:

“Não procure que os eventos aconteçam como você deseja, mas deseje que os eventos aconteçam como acontecem e que sua vida transcorra sem problemas.” Epicteto

Isso é poderoso!

O estoicismo chama isso de “arte da aquiescência” ou “arte da aceitação” – aceitar em vez de lutar contra cada pequena coisa.  Aceitação estóica. E pode muito bem ser comparado ao amor fati de Nietzsche, bem como à pós-moderna linha da psicoterapia conhecida como terapia de aceitação e comprometimento.

Outro filósofo estóico, Marco Aurélio, fala da necessidade de ‘encontrar satisfação’ nos eventos externos que nos acontecem, de que devemos ‘cumprimentá-los com alegria’, ‘aceitá-los com prazer’, ‘amá-los’ e ‘desejar’ que eles aconteçam conforme determinado pelo nosso destino.” Donald Robertson

Os estóicos tentaram cultivar a aceitação do que aconteceu com eles.  “Se esta é a vontade da natureza, então que assim seja.” A maioria dos eventos acontece sem que você tenha uma palavra a dizer.  Você pode curtir e amar o que quer que aconteça, ou você será arrastado pelos fatos de qualquer maneira.

Os estóicos usaram uma metáfora impressionante para explicar isso: A metáfora do cachorro e do carrinho.

“O destino leva o que está à vontade e arrasta ao longo o relutante.” – Sêneca

O homem sábio é como um cão amarrado a um carrinho em movimento, correndo alegremente ao lado dele e acompanhando-o com suavidade, enquanto o homem insensato é como um cão que se esforça contra a coleira, mas se vê arrastado ao lado do carrinho.

O carrinho em movimento representa sua vida e tudo o que acontece.  O cachorro representa a gente. Ou aproveitamos o passeio e fazemos o melhor da jornada da nossa vida, ou lutamos contra tudo o que acontece e somos arrastados de qualquer maneira.  Nós podemos lutar tanto quanto quisermos, o carrinho se move na direção que ele quiser – para cima e para baixo e através da lama e da sujeira.

As coisas acontecem na vida, boas ou ruins, e assim que acontecem, não podemos alterá-las.  Eles estão lá apenas como a estrada lamacenta de subida. Pode ser doloroso, pode ser ruim. Mas você não pode mudar a situação em si, você não pode magicamente achatar e secar a colina lamacenta.  Você só pode mudar o que você faz a partir dela – lamacenta ou não.

Qual cão tem a vida melhor?

Ambos os cães estão na mesma situação, um só aproveita muito mais porque ele não luta contra o que ele não pode vencer – o destino.  Ninguém quer ser arrastado, então há apenas uma opção: aproveitar ao máximo a jornada que o motorista do carrinho escolher para você.

“Mas se eu simplesmente aceitar tudo, então posso renunciar e não fazer nada.”

Não!

ATENÇÃO: Aceitar o que quer que aconteça não significa desistir. Amar tudo o que acontece não significa desistir.

“É muito mais fácil falar da maneira como as coisas deveriam ser.  É preciso força, humildade e vontade de aceitá-los pelo que eles realmente são.  É preciso um homem ou uma mulher de verdade para enfrentar a necessidade. ”- Ryan Holiday

Aceitar o que é preciso muito mais do que lutar contra o que é.

É fácil entender como as coisas são.  É muito mais difícil aceitar e até amar as coisas como elas são.  Isso está longe de ser resignação passiva. A aceitação estóica do que acontece e de enfrentar a necessidade exige firmeza, humildade e vontade.

O argumento de que “não faz sentido fazer qualquer coisa se tudo acontece como acontece” é simplesmente preguiçoso.  E é uma desculpa. Mais uma vez, é preciso muito mais para aceitar, em vez de lutar contra tudo o que acontece.

E mesmo que você não possa decidir quais eventos exatos acontecem em sua vida, os resultados desses eventos ainda dependem de suas ações. São suas ações de hoje que moldam os eventos do seu amanhã.

Olha, só porque você tenta amar o que aconteceu não significa que você o tolera ou aprova.  Significa apenas que você entende que não pode mudá-lo e que é sua melhor opção aceitá-lo e tentar fazer o melhor possível.  E, então, tome as ações mais inteligentes dessa aceitação estóica.

“Ninguém quer que seus filhos fiquem doentes, ninguém quer estar em um acidente de carro;  mas quando essas coisas acontecem, como pode ser útil discutir mentalmente com elas? ” Byron Katie

As coisas são ruins, muitas vezes.  Isso é certo. Mas lutar contra elas não ajuda em nada.

Recapitulação Rápida: Amor fati é um termo em latim cunhado por Nietzsche e significa aceitação amorosa do seu destino.  A ideia é amar tudo o que acontece. Os estóicos já diziam que a chave para uma vida suave era desejar que os eventos acontecessem como acontecem.  Isso não tem nada a ver com a resignação passiva, pois é preciso muito mais para aceitar do que lutar contra tudo o que acontece. Suas ações são importantes.

Por que é tão poderoso amar tudo o que acontece?

Por que devemos tentar amar tudo o que acontece?

 

OCUPE-SE APENAS COM O QUE VOCÊ CONTROLA

 

Concentre-se no que você controla. Fique no seu “quadrado” e não lute contra a realidade.

“Inundações nos roubarão uma coisa, fogo, outra.  Estas são condições de nossa existência que não podemos mudar.  O que podemos fazer é adotar um espírito nobre, tal espírito como convém a uma pessoa boa, para que possamos nos comportar bravamente sob tudo aquilo que a fortuna (o destino) nos envia e colocar nossas vontades em sintonia com a vontade da natureza.” Sêneca

Na maioria das vezes, não temos controle sobre nossas vidas (lembre-se do carrinho de mudança ao qual estamos amarrados?).

Enchentes e incêndios poderiam ter roubado os antigos estóicos de suas casas e de sua colheita.  Hoje, tais catástrofes naturais ainda acontecem, mas na maioria das vezes temos inimigos diferentes em nossas vidas cotidianas.  Motoristas e colegas que nos deixam loucos e coisas sérias como doenças ou perda de emprego.

O ponto é, muitas coisas acontecem para nós sobre as quais não temos controle. Nós não podemos mudar essas coisas. Eles basicamente não cabem a nós. O que cabe a nós é apenas o que fazemos a partir dessas coisas.

Como diz a sábia música: “Cada um no seu quadrado”, rsrsrs 😂. Só pra descontrair. Mas, lembrar dessa frase singela pode nos ajudar bastante a saber diferenciar o que está dentro de nosso controle e o que está fora de nosso controle, para que foquemos somente naquilo que cabe a nós, ou, no que está no nosso “quadrado”. Funk também é sabedoria estóica, hehehe. 😉

 

CONCENTRE-SE NO QUE VOCÊ PODE CONTROLAR, ACEITE O QUE VOCÊ NÃO PODE.

Pense nisso, se você tentar controlar o clima, mais cedo ou mais tarde você vai surtar, porque você não pode controlar o tempo. O tempo apenas é como é.  E assim é tudo o que não está em nosso próprio controle.

Ressentir-se do que acontece é erroneamente supor que você tem uma escolha nesse assunto.  E isso levará ao sofrimento.

“Podemos ver que a nossa dor está entre o que achamos que deveria acontecer e o que realmente acontece.  Então, se removermos a demanda secreta por isso ou aquilo acontecer, a lacuna de dor desaparece. ” Vernon Howard

É exatamente isso! Precisamos perceber que a nossa dor, não importa se é o medo, a frustração ou a raiva, vem de ressentir a realidade.  Sofremos porque discutimos com o que acontece, queremos que a realidade seja diferente do que é. Isso leva à dor.

É o que encontramos no livro de Byron Katie, “Loving What Is”, logo na primeira página:

“A única vez que sofremos é quando acreditamos em um pensamento que argumenta com o que é.  Quando a mente está perfeitamente clara, o que é o que queremos. ” Byron Katie

Ela compara querer que a realidade seja diferente a tentar ensinar um gato a latir.  É impossível. A realidade é o que é. Se nossa mente está clara, o que é o que queremos.

E, no entanto, acabamos querendo que a realidade seja diferente o tempo todo.  “Meu marido deve trazer flores para casa às vezes.” “O vizinho deve cortar a grama.” “Nosso filho deve encontrar um emprego.” “O trem não deve ser atrasado.”

Esses pensamentos são todos modos de querer que a realidade seja diferente do que é.  Isso leva a muito estresse, causado por discutir com o que é (e o que não pode ser mudado).

Se lutar com a realidade nos deixa sofrendo, então só temos uma opção: não lutar contra a realidade.  Aceitação incondicional é a solução, se você gosta da realidade ou não. Amor fati – amar o que acontece.  Porque você não pode mudar isso, de qualquer maneira.

Recapitulação rápida: amar tudo o que acontece é tão poderoso porque é simplesmente a melhor opção, senão a única.  Lutar com o que é, argumentar com a realidade, vai piorar tudo. É a causa raiz do seu sofrimento. Não é o que aconteceu que é doloroso, é sua convicção de que devia ter acontecido de forma diferente que está causando toda a sua dor.  Claro, as coisas são ruins às vezes, mas você não pode mudá-las. Você só pode mudar a sua maneira de lidar com eles. As coisas não devem ser diferentes, elas devem ser exatamente como são, porque é assim que são.

“Sêneca disse que Zeus é como um general e a humanidade seu exército, devemos seguir sua liderança, gostemos ou não, mas ‘é um mau soldado quem segue seu comandante resmungando e gemendo’.” Donald Robertson

Não devemos resistir ao que acontece.  É como diz o ditado, “o que você resiste persiste”.

A ideia é simples: aproveite cada momento como ele é.  Tome a realidade como ela é. Não resista ou ela terá poder sobre você.  Se você não resistir, se você aceitar, ela não terá poder sobre você.

Conforme Marco Aurélio, assim como você toma um medicamento quando um médico lhe prescreve, devemos tomar eventos externos exatamente como eles são, porque eles são, assim como o remédio do médico, feitos para nos ajudar.

O que acontece com a gente é basicamente o tratamento da natureza para conseguirmos ser pessoas melhores.  Essas coisas acontecem para nós, não contra nós, mesmo que às vezes não pareça. Não devemos lutar, mas sim aceitar e amar essas coisas.  E veja o que elas podem fazer por nós.

Olha, eu sei, não é natural acreditar que algo que parece tão amargo é realmente bom para nós.  Mas é o melhor que podemos fazer, aceitar a vida como ela é, e achar que é boa só porque é assim.

 

ACEITE SEM JULGAR

Claro, se sua casa pega fogo e você perde tudo o que tem, parece muito irritante.  E você pode admitir que é uma droga. Mas quem sabe, talvez seja exatamente o que você precisava em sua situação de vida, por mais idiota que isso possa parecer.  Você não pode ter certeza de que isso é ruim. Fique com os fatos: sua casa foi incendiada e você perdeu tudo, menos sua vida e o que está vestindo.

Você não sabe quais oportunidades surgirão das cinzas da casa queimada.

 

PRATIQUE O DESAPEGO

As coisas são impermanentes.  Eles vêm e vão.

Aquele sorriso na pessoa que você ama não estará lá para sempre.  A dor que você sente quando você bate seu dedo do pé vai embora. O estilo de vida extravagante de que você gosta tanto passará também.

Como diz o ditado, em relação a qualquer coisa, é bom que sempre tenhamos em mente que “isso também passará”. Já que tudo realmente passa, a vida e tudo nela é impermanente. A única certeza que podemos ter na vida é da mudança, ela é certa, em todos os aspectos, inclusive a mudança final, a morte, também é certa. Essa sabedoria de que tudo muda constantemente foi utilizada pelos estóicos, mas sua origem está na filosofia do pré-socrático Heráclito. (Para quem se interessar, vale a pena pesquisar e ler sobre a filosofia de Heráclito).

O problema de se apegar a coisas, pessoas, riqueza, status, aparência e empregos é que essas coisas estão fora do seu controle.  Por quanto tempo você poderá mantê-los não está sob seu controle.

 

São esses anexos que dificultam a aceitação das mudanças.  Quando os temos, não queremos deixá-los ir. Nós nos tornamos escravos do status quo, não queremos que nada mude quando estamos num bom momento da vida. Mas, tudo sempre muda, é inevitável. Se para o melhor ou o pior, só o destino poderá responder no tempo certo.

 

“A vida está em constante mudança.  E nós também estamos. Ficar chateado com as coisas é erroneamente supor que elas vão durar.  Culpar a nós mesmos ou culpar os outros é agarrar o vento. Se ressentir com a mudança é erroneamente supor que você tem uma escolha no assunto.” Ryan Holiday

 

As coisas vêm e vão.  A única coisa que permanece é sua capacidade de decidir o que a mudança significará para você.  Você pode ficar adaptável e resiliente. E você pode decidir não se apegar demais ao que quer que seja.

 

As coisas são impermanentes. De acordo com o sábio músico Lulu Santos: “Tudo muda o tempo todo no mundo”.

 

Não se apegue às coisas.  Tudo está em constante mudança.  As coisas vêm e vão.

 

“Isso também passará.”

 

Recapitulação rápida: o que você pode fazer para amar seu destino?  (1) Não-resistência: não resista ao que acontece com você. É bom do jeito que é, mesmo que seja uma droga.  Aceite como está e faça o melhor possível. (2) Não-julgamento: Não julgue o que quer que aconteça como bom ou mau.  Porque você não sabe. Algo pode parecer ruim, mas vai se tornar bom em um instante. Talvez seja bom. Talvez seja ruim.  (3) Desapego: não se apegue às coisas. Porque nada dura. Tudo está em constante mudança. O apego causará dor quando as coisas mudarem.  “Isso também passará.”

 

E agora?

 

“Aceite – então aja.  Seja qual for o momento presente, aceitar é como se você tivesse escolhido.  Sempre trabalhe com isso, não contra isso. Torne-se seu amigo e aliado, não seu inimigo.  Isso milagrosamente transformará sua vida.” Eckhart Tolle

 

Aprenda a aceitar seu destino. E então aprenda a amá-lo.

 

Você primeiro precisa aceitar o que quer que aconteça com você.  Uma vez que você puder aceitá-lo, você poderá tentar amá-lo.

 

O que quer que aconteça acontece especificamente para você, para o seu bem (Mesmo que não pareça assim, de início.)

 

Amor fati et carpe diem!

(Ame tudo o que acontece como acontece e aproveite o dia, o momento presente, o agora!)

 

Saudações, meus amigos estóicos,

 

Vanessa Cordeiro

 

Referências:

 

Marco Aurélio – Meditações;

 

Epicteto – Enchiridion (Manual de Epicteto);

 

Erick Wiegardt – The Stoic Handbook;

 

Ryan Holiday – The Daily Stoic; The Obstacle Is the Way;

 

Massimo Pigliucci – How to Be a Stoic;

 

Donald Robertson – Stoicism and the Art of Happiness;

 

Sêneca – Diálogos e Cartas;

 

Fontes:

<https://www.njlifehacks.com/what-is-stoicism-overview-definition-10-stoic-principles/>

 

<https://www.google.com/amp/s/m.brasilescola.uol.com.br/amp/filosofia/os-estoicos.htm>

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *